segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Porque a vida possui vários referenciais !


Na tentativa de fazer associações entre a realidade e a física, durante a tediante revisão de véspera de vestibular. Acabei por encontrar algo tão simples, mas que não paramos para refletir!


E isso é só uma questão de óptica! HAHA


Muitas pessoas não sabem que o olho humano tem um ponto cego em seu campo de visão. Há uma parte do mundo a qual somos literalmente cegos.

O problema é que às vezes os nossos pontos cegos nos protegem de coisas que realmente não deveriam ser ignoradas. Às vezes nossos pontos cegos mantêm nossas vidas claras e brilhantes.

Nosso aprendizado nunca acaba. Todo momento temos a chance de demonstrar o quanto aprendemos. E o quanto ainda temos que aprender.

Pensando nisso, talvez os nossos cérebros não estejam compensando... Talvez eles estejam nos protegendo.




- Beijos&Borboletas

domingo, 20 de dezembro de 2009

SOLIDÃO: Sala de audiência com Deus


Estar sozinho
Flávio Gikovate



Não é apenas o avanço tecnológico que marcou o inicio deste milênio. As relações afetivas também estão passando por profundas transformações e revolucionando o conceito de amor. O que se busca hoje é uma relação compatível com os tempos modernos, na qual existe individualidade, respeito, alegria e prazer de estar junto, e não mais uma relação de dependência, em que um responsabiliza o outro pelo seu bem-estar. A idéia de uma pessoa ser o remédio para nossa felicidade, que nasceu com o romantismo, está fadada a desaparecer neste início de século. O amor romântico parte da premissa de que somos uma fração e precisamos encontrar nossa outra metade para nos sentirmos completos. Muitas vezes ocorre até um processo de despersonalização que, historicamente, tem atingido mais a mulher. Ela abandona suas características, para se amalgamar ao projeto masculino. A teoria da ligação entre opostos também vem dessa raiz: o outro tem de saber fazer o que eu não sei. Se for manso, ele deve ser agressivo, e assim por diante. Uma idéia prática de sobrevivência, e pouco romântica, por sinal. A palavra de ordem deste século é parceria. Estamos trocando o amor de necessidade, pelo amor de desejo. Eu gosto e desejo a companhia, mas não preciso, o que é muito diferente. Com o avanço tecnológico, que exige mais tempo individual, as pessoas estão perdendo o pavor de ficar sozinhas, e aprendendo a conviver melhor consigo mesma. Elas estão começando a perceber que se sentem frações, mas são inteiras. O outro, com o qual se estabelece um elo, também se sente uma fração. Não é príncipe ou salvador de coisa nenhuma. É apenas um companheiro de viagem. O homem é um animal que vai mudando o mundo, e depois tem de ir se reciclando, para se adaptar ao mundo o que fabricou. Estamos entrando na era da individualidade, o que não tem nada a ver com egoísmo. O egoísta não tem energia própria; ele se alimenta da energia que vem do outro, seja ela financeira ou moral. A nova forma de amor, ou mais amor, tem nova feição e significado. Visa a aproximação de dois inteiros, e não a união de duas metades. E ela só é possível para aqueles que conseguirem trabalhar sua individualidade. Quanto mais o indivíduo for competente para viver sozinho, mais preparado estará para uma boa relação afetiva. A solidão é boa, ficar sozinho não é vergonhoso. Ao contrário, dá dignidade à pessoa. As boas relações afetivas são ótimas são muito parecido com o ficar sozinho, ninguém exige nada de ninguém e ambos crescem. Relações de dominação e de concessões exageradas são coisas do século passado. Cada cérebro é único. Nosso modo de pensar e agir não serve de referência para avaliar ninguém. Muitas vezes, pensamos que o outro é nossa alma gêmea e, na verdade, o que fizemos foi inventá-lo ao nosso gosto. Todas as pessoas deveriam ficar sozinhas de vez em quando, para estabelecer um diálogo interno e descobrir sua força pessoal.



- Beijos&Borboletas

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Vida, vida ... que tal um tempinho para um cafézinho ?


SEJA UM IDIOTA

[Arnaldo Jabour]

A idiotice é vital para a felicidade.

Gente chata essa que quer ser séria, profunda e visceral sempre. Putz! A vida já é um caos, por que fazermos dela, ainda por cima, um tratado? Deixe a seriedade para as horas em que ela é inevitável: mortes, separações, dores e afins.

No dia-a-dia, pelo amor de Deus, seja idiota! Ria dos próprios defeitos. E de quem acha defeitos em você. Ignore o que o boçal do seu chefe disse. Pense assim: quem tem que carregar aquela cara feia, todos os dias, inseparavelmente, é ele. Pobre dele.

Milhares de casamentos acabaram-se não pela falta de amor, dinheiro, sexo, sincronia, mas pela ausência de idiotice. Trate seu amor como seu melhor amigo, e pronto.

Quem disse que é bom dividirmos a vida com alguém que tem conselho pra tudo,soluções sensatas, mas não consegue rir quando tropeça?

hahahahahahahahaha!...

Alguém que sabe resolver uma crise familiar, mas não tem a menor idéia de como preencher as horas livres de um fim de semana? Quanto tempo faz que você não vai ao cinema?

É bem comum gente que fica perdida quando se acabam os problemas. E daí,o que elas farão se já não têm por que se desesperar?

Desaprenderam a brincar. Eu não quero alguém assim comigo. Você quer? Espero que não.

Tudo que é mais difícil é mais gostoso, mas... a realidade já é dura; piora se for densa.

Dura, densa, e bem ruim.

Brincar é legal. Entendeu?

Esqueça o que te falaram sobre ser adulto, tudo aquilo de não brincar com comida, não falar besteira, não ser imaturo, não chorar, não andar descalço,não tomar chuva.

Pule corda!

Adultos podem (e devem) contar piadas, passear no parque, rir alto e lamber a tampa do iogurte.

Ser adulto não é perder os prazeres da vida - e esse é o único "não" realmente aceitável.

Teste a teoria. Uma semaninha, para começar.

Veja e sinta as coisas como se elas fossem o que realmente são:
passageiras. Acorde de manhã e decida entre duas coisas: ficar de mau humor e transmitir isso adiante ou sorrir...

Bom mesmo é ter problema na cabeça, sorriso na boca e paz no coração!

Aliás, entregue os problemas nas mãos de Deus e que tal um cafezinho gostoso agora?

A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso cante, chore,dance e viva intensamente antes que a cortina se feche!


- Beijos&Borboletas .

Momento no divã


Pergunte aos estudantes porque eles almejam tanto a aprovação em vestibulares e você terá a mesma resposta.
Pela independência, agitação, autoridade, responsabilidade, por estar começando a viver, a andar com as próprias pernas.
Mas pra mim é diferente. Talvez por que eu cresci em uma casa, onde a família tentava (e tenta) me apoiar em todas as decisões, mas anunciando as consequências dos meus erros. Não. Definitivamente porque eu cresci em uma casa onde a independecia é irmã da responsabilidade. Por que foi o silencio que me atraiu para o futuro, para a Psicologia. E é este silêncio que está me atraindo para a Medicina.
Não é como um consultório de análise, é .. apenas sensitivo! A sala de operação, um lugar quieto, calmo. Tem que ser, para que fiquemos alertas antecipando complicações. Quando você está na sala de operações, seu paciente aberto na mesa, todo o barulho do mundo, toda a preocupação que você trás, desaparece.
A calma te atinge, o tempo passa sem pensamento. Naquele momento, você se sente completamente em paz.

Paz... não é um estado permanente, a paz é transitória, existente apenas em alguns momentos, que vão embora antes mesmo de notarmos que estava ali. Nós podemos experimentar isso a qualquer momento.. com estranhos agindo com gentileza, em uma tarefa que exige dedicação completa ou no simples conforto de uma antiga rotina.
Todos os dias, todos nós experimentamos esses momentos de paz, o truque é saber quando eles irão acontecer, para então podermos abraçá-los. Vivê-los. E finalmente deixá-los ir embora.

Até porque, como diria Mahatma Gandhi: "Não existe um caminho para a paz, a paz é o caminho".

- Beijos&Borboletas .

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

- E daí? EU ADORO VOAR!


Uma de minhas escritoras prediletas, Clarice Lispector. Acredito está compartilhando um texto de grande introspecção e sem dúvidas motivante.


Já escondi um AMOR com medo de perdê-lo, já perdi um AMOR por escondê-lo.
Já segurei nas mãos de alguém por medo, já tive tanto medo, ao ponto de nem sentir minhas mãos.
Já expulsei pessoas que amava de minha vida, já me arrependi por isso.
Já passei noites chorando até pegar no sono, já fui dormir tão feliz, ao ponto de nem conseguir fechar os olhos.
Já acreditei em amores perfeitos, já descobri que eles não existem.
Já amei pessoas que me decepcionaram, já decepcionei pessoas que me amaram.
Já passei horas na frente do espelho tentando descobrir quem sou, já tive tanta certeza de mim, ao ponto de querer sumir.
Já menti e me arrependi depois, já falei a verdade e também me arrependi.
Já fingi não dar importância às pessoas que amava, para mais tarde chorar quieta em meu canto.
Já sorri chorando lágrimas de tristeza, já chorei de tanto rir.
Já acreditei em pessoas que não valiam a pena, já deixei de acreditar nas que realmente valiam.
Já tive crises de riso quando não podia.
Já quebrei pratos, copos e vasos, de raiva.
Já senti muita falta de alguém, mas nunca lhe disse.
Já gritei quando deveria calar, já calei quando deveria gritar.
Muitas vezes deixei de falar o que penso para agradar uns, outras vezes falei o que não pensava para magoar outros.
Já fingi ser o que não sou para agradar uns, já fingi ser o que não sou para desagradar outros.
Já contei piadas e mais piadas sem graça, apenas para ver um amigo feliz.
Já inventei histórias com final feliz para dar esperança a quem precisava.
Já sonhei demais, ao ponto de confundir com a realidade... Já tive medo do escuro, hoje no escuro "me acho, me agacho, fico ali".
Já cai inúmeras vezes achando que não iria me reerguer, já me reergui inúmeras vezes achando que não cairia mais.
Já liguei para quem não queria apenas para não ligar para quem realmente queria.
Já corri atrás de um carro, por ele levar embora, quem eu amava.
Já chamei pela mamãe no meio da noite fugindo de um pesadelo. Mas ela não apareceu e foi um pesadelo maior ainda.
Já chamei pessoas próximas de "amigo" e descobri que não eram... Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão especiais para mim.
Não me dêem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre.
Não me mostre o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração!
Não me façam ser o que não sou, não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou diferente!
Não sei amar pela metade, não sei viver de mentiras, não sei voar com os pés no chão.
Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra SEMPRE!
Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais poderosas, das idéias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes.
Tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos.
Você pode até me empurrar de um penhasco q eu vou dizer:
- E daí? EU ADORO VOAR!

- Beijos&borboletas

sábado, 17 de outubro de 2009

O destino é uma questão de escolha


Tenho pensado muito em tudo que estamos vivendo, todos os transtornos que passamos e o quanto nossa sociedade sofre. E acredite se quiser, não é a crise, gripe, etc. que mais nos atormentam, estas coitadas são apenas desculpas usadas para não adimitir que estamos realmente em pleno conflito amoroso.
Relacionamentos, o que se pode dizer quanto a eles? Claro, que eu não sou a mais indicada ao cargo de escrever sobre o assunto, meu tradicionalismo e metodologia, derrubam todas as inovações aceitas .. meu ceticismo também (diga-se de passagem). HAHA
Mas voltando ao assunto, o melhor exemplo que posso lhes transmitir é do clássico Romeu & Julieta. Quem nunca se emocionou com este romance, que até hoje se perpetua em história mais que reais .. A menina se apaixona por aquele cara que ela sabe que não pode ter, todo mundo acha isso tão romântico!
Romeu & Julieta, o verdadeiro amor... que triste! Se Julieta foi burra o bastante para se apaixonar pelo inimigo, beber uma garrafa de veneno e ir repousar em um mausoléu, então (não me jugem mal, ou desiludida. PELO AMOR DE DEUS) ela teve o que merecia.
Ok, estou sendo crítica demais. Entretanto acho que pelo menos alguém deva conhecer a obra, sem contar com as "carinhas bonitinhas" e a fantástica produção. Alguém deve capturar a essência da história, levando em consideração todos os conflitos.
Talvez Romeu e Julieta estivessem destinados a ficarem juntos (mas só um pouquinho), então o tempo deles passou. Aposto que se eles soubessem disso, tudo teria terminado bem.
Bom, depois deste exemplo crítico ao extremo, fica a retórica: Será que eu controlo o meu próprio destino?
Até hoje, eu acredito que na maior parte do tempo o amor é uma questão de escolhas. Esquecer do veneno e das espadas, e criar seu própio final feliz. Obviamente os tempos estão difícies para os sonhadores... Mas se fosse fácil, a conquista não seria merecida.

[...]

No fim das contas, o que falta mesmo é a disposição pra ir atrás de um bom e duradouro relacionamento, deixamos tudo ao ventos esperando que o tempo se encarregue. Ai que mora o problema, quando nos damos conta, já é tarde demais pra consertar.
E, às vezes apesar das nossas melhores escolhas ou intenções, o destino vence de qualquer forma.

- Beijos & Borboletas.